Text concordance

Please read the notes on Using the text concordance if you have not already done so.

If you just want to find a cantiga from the first few words of the lyrics, try the Index by incipit instead.

Cantigas processed: 420

Total lines: 21656

Total words: 162243

Total distinct word forms: 10220

Alphabetical index: A | B | C | D | E | F | G | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | X | Z

Word:    Show references: always for single word results never   
1 word formCountReferences
QUANDO240
1:73quando séu Fillo a levar
5:19Mas, quando moveu de Roma por passar alên,
5:21Quando s' ouv' a ir o Emperador, aquel irmão séu,
5:30mai-la santa dona, quando ll' oiu dizer tal traïçôn,
5:39Quando o irmão do Emperador de prijôn saiu,
5:42mas o Emperador, quando o atán mal parado viu,
5:45Quando foron ambos a ũa parte, fillou-s' a chorar
5:59e quando a no monte tevéron, falaron ontre si
6:43se o viran; e un óme | lle diss'; “éu o vi ben quando
9:77Des quando o monge | do leôn foi quito,
14:27Quando viu San Pédr' os Santos | que assí foran falir,
16:17mas quando dizía aa dona que o sen
20:14non quéra, quando
21:2quando xe quisér, e mórtos resorgir.
30:9que lle rógue, quando sannudo for
35:19Os crérigos, quando viron | que a eigreja queimar
37:28E quando s' espertou, sentiu-se mui ben são,
38:32panos os monges quando ían sas missas dizer,
40:19en creer quando oísti,
42:22quando feriss' a pelóta, | foi buscar u o põer
42:35e el, quando viu aquesto, | tan gran pavor lle creceu
43:55Quando o padr' e a madre, | que fazían muit' esquivo
48:14e quando lla non comprían, | éran dela perdidosos.
54:53e quando morreres, sei ben certão
66Como Santa María fez a un bispo cantar missa e déu-ll' a vestimenta con que a dissésse, e leixou-lla quando se foi.
67:24Quando ll' óm' oiu aquesto | dizer, foi ên mui pagado;
67:41mais quando se levantava, | ũa oraçôn dizía
69:32un óm' ant' o altar, ben como quando
71:23Quando a viu a monja, | espantou-se ja quanto,
71:52e quando deste mundo | quis Déus que se partisse,
73:11E quando algũa cousa ll' ía falir,
73:31Quando viu o monj' esto, pesou-lle tant' ên
74:25trouxe tan gran vento como quando faz
75:25Mais o capelán correndo, | quando soube com' estava
75:66e quando foi aa chóça, | viu a que bẽeita seja,
75:139e depois, quando ll' a alma | de sa carne foi saída,
77:30quando s' estendía o nervio odeito.
78:63Quando viu el conde aquele que chegara (†)Click on the line number reference to view footnotes in context.
79:38E quando o prazo dos días chegado
84:24que vos nïún tórto faço | nen fiz des quando vos vi.”
86:3Acorrer-nos póde quando xe quisér
86:32quando viu o mar que a vẽo cobrir;
91:38quando chegou a Sennor celestïal.
91:47ca ela sempre ven quando
93:29Quando ll' est' ouve dit', a teta descobriu
94:7quando en érro caemos;
95:17senôn quando con cĩisa éra mesturado,
95:43E quando aquesto viron, foron espantados
98:12u faz a Virgen miragres | grandes quando quér,
103:21Monj' algũa vez no ano, | quando sal ao vergéu.
103:28os monges quando o viron, | e demandou-ll' o prïor,
103:32quando fui a aquela órta; | u séen quen mio dirá?”
104:35E a gent' entôn dizía, | quando aquel sangue viu:
105:11Quando a viu ouv' entôn tan gran medo
105:37E quando os prazos foron chegados,
107:58quando julgar-nos verrá.
109:38quando ouvéron do óm' a saír.
113:3que quando morreu por nós ben sei (†)Click on the line number reference to view footnotes in context.
117:23E quando viu que tod' esto ren non lle prestava,
118:13e quando vẽo aa quarta vez,
121:15Quando non achava rósas, | rezava, com' aprendí,
122:10feita como quando pariu e jaz.
123:31Porque me torvei todo quando morrí,
128:12Diss' el: “Praz-me.” Respôs-ll' ela: | “Pois quando vos comungardes,
131:63E quando o viron, déron end' a Déus
132:70dizer sas óras, e quando
132:139quando ll' a alma saída
135Como Santa María livrou de desonrra dous que se avían jurados por ela quando éran meninnos que casassen ambos en uno, e fez-lo ela comprir.
138:57e depois, quando deste mundo saiu,
145:42quando queimou Roma e tornou carvões.
147Como ũa mollér póbre déu sa ovella a guardar a un ovelleiro, e quando ao trosquïar das ovellas vẽo a vélla demandar a súa e o ovelleiro disse que a comera o lobo, chamou Santa María de Rocamador, e a ovella braadou u lla tiínna o ovelleiro asconduda e disse: “ei-me acá, ei-m' acá.”
149:49Quando ll' est' ouve dito, | viu a Óstïa lógo
152:29per que quando do séu córpo | a sa alma foi partida,
154:33E assí passou sa vida; | e quando vẽo a mórte,
155Como un cavaleiro d' Aleixandría foi malfeitor, e quando vẽo a vellece, repentiu-se e foi a un santo ermitán confessar-se; e el disse-lle que jajũasse, e o cavaleiro disse que non podía.
155:19Quando viu aquel sant' óme | que non podía fazer
155:44e el quando viu aquesto, | atán alégre se fez,
155:48Quando viu o ermitano | este miragre tan bél,
156:22que quando oía son
157:21E ela, quando viu esto, | a Rocamador foi-s' ên
162:33Quando o crérigu' esto viu,
162:41tornou i, quando o alvor
165:37Quando viu o soldán esto, | teve-se por de mal sen,
169:28quando s' alçaron mouros | des Murç' atá Sevilla;
175:13mas quando o viu a gente, | foi ende maravillada
175:43Quando viu aquel coitado | que séu fill' assí falava,
176:4que avẽo en Maiorgas, | quando mouros en poder
183Esta é dun miragre que mostrou Santa María en Faarôn quando éra de mouros.
186:41quando se viu presa con aquel encréu
188Esta é dũa donzéla que amava a Santa María de todo séu coraçôn; e quando morreu, feze-a séu padre abrir porque põía a mão no coraçôn, e acharon-lle fegurada a omage de Santa María.
188:23O padr' e a madre dela, | quando a viron fĩir,
192:125Quando foi mannãa,
193:31Quando os da nav' oíron | falar, espanto prenderon,
193:43Quando os da nav' oíron | esto, mui grandes loores
193:48foi de quanto lle fillaran | quando foi no mar deitado;
195:99quando chegaría;
195:101a moça foi por el, quando
195:126quando vir abérta-
198:16u lidaron ben des quando | começara o serão
199:16as péles pera lavrá-las, | non catou al senôn quando
199:27E quando foi na eigreja, | ant' o altar o deitaron
199:30senôn quando ll' a agulla | saiu sen grandes mixões
200:35E quando quisér que seja,
201:51Quando ll' est' ouve dito, | foi-se; e mui guarida
205:39E quando viron a torre | que éra toda cavada
206:30per que ja quando podésse | a súa missa cantar.
208:27E quando chegou o tempo | que aas colmẽas van
210:2Gabrïél, quando disse:
211:25d' abellas mui brancas, que entrou quando
212:8que quando i casar quéren | as donas que póbres son,
213:14e porên quando podía | éra-lle mui torticeira.
213:24e quando chegou a Élvas, | foi lógo desafïado
213:67Os outros, quando chegaron | a el e o jazer viron,
214:26O outro, quando viu esto, | diss': “Ai, Virgen de bondade
215:5quando passou Aboíuçaf, | non da passada primeira,
216:32estava o démo. Quando | viu a Madre de Jesú
219:29mas quando oiu o bispo | esto, cuidou que mentir-
221:7E porend' un gran miragre | direi, que avẽo quando
222:19Quando a consomir ouve | o Córpo de Jesú-Cristo,
224:36con outra companna d' i; | e quando foron na vía,
225:37e el a coçar fillou-s' e | non catou al senôn quando
225:41e quando disse sa missa, | consumiu-a e passou-a,
229:4quando el Rei Don Alfonso | de Leôn aduss' acá
229:9e quando viron as óstes | dos mouros, lóg' a Carrôn
231:24que depois, quando quiséron
232Como un cavaleiro que andava a caça perdeu o açor, e quando viu que o non podía achar, levou ũu açor de cera a Vila-Sirga, e achó-o.
233:20e quando foi na carreira | e, como vos dixe, vira
234:21e quando foi ena sagra, | começou-s' a correger
235Esta é como Santa María déu saúde al rei Don Afonso quando foi en Valadolide enfermo que foi juïgado por mórto.
235:32E depois, quando da térra | saiu e que foi veer
239:10quando llo fosse demandar.
240:13quando Déus vee irado seer
244:13e leixou-s' ir lóg' a ela | a gente quando a viu,
244:27O cativo mui cuitado | foi quando se viu assí
246:16Mas quando chegou a ela, | cuidou lógu' entrar alá,
246:27E quando foi aas pórtas | da vila e entrar quis,
251:19Sempre quando a madre | à eigreja orar
251:27Quando chegou séu tempo | que en religïôn
251:47Quando a abadess' a | assí falar oiu
251:73e quando foi na sagra, | aqué a madr' aduz
256:12e quando foi na cidade, | peor enferma mollér
258:25e quando foi ben caente, | lógo sa madre chamou,
259:15Cada un deles quando s' espertou
261:53Quando os viu, foi as mãos erger
268:17os miragres que a Virgen | faz en Vila-Sirgu'; e quando
269:4a Virgen Santa María, | que faz muitos quando quér,
274:39Quando ll' esto diss' a Virgen, | lógo xe-ll' el espediu. (†)Click on the line number reference to view footnotes in context.
278:15E depois aa tornada, | quando chegou a Carrôn,
280:20que, quando for que mia mórte venna,
281:60preguntou-lle se ja quando | traballara en servir
282:20E quando pararon mentes, | vírono en pé estar
282:26que todo fora desfeito | quando caí, come sal.”
283:52Mas quando se atal sentiu
285:40Mas quando foi na pórta, | per ela non podía
285:58quando vẽéss' a noite, | que pera el ir-s-ía.
285:61e quando s' ên quis saír, a Virgen santa do bon prez
287:33e quando foi aa pórta, | viu sa mollér i seer
287:36quando me no mar deitaste, | e mia oraçôn oiu
292:39Esto foi quando o córpo | de sa madre fez vĩir
301:11Quando soube que julgado | éra que lle déssen mórte,
302:9e quando chegou a noite, | os dinneiros que tragía
306:20que fezo que semellasse | que quando a saüdou
306:24cengir per cima do ventre | quando ll' a prennece dól.
306:31Quando aquest' ouve dito | aquel erége sandeu,
309:21de fazê-la atá quando | de Déus tal sinal ouvéssen
309:45e quando virmos a néve, | ponnamos lógo recado
315:39Quando foi na eigreja, | o meninno fillaron
317:35E quando as pórtas sarradas achou,
323:24quando viu correr a vila, | o fillo desamparava
325:42atá que préto de Silve | foi quando aluzecía.
328:24el Rei Don Afonso, quando | sa fróta ouv' envïada
328:31Non catou al, senôn quando | o alguazil mui sannudo
332:2como á Santa María, | quando quér, de o matar.
335:67Quando ll' est' ouvéron dito, | el foi lóg' aos crischãos
335:82quando do mundo saísse, | aa santa craridade.
336:19Pero quando lle nembrava | a Sennor de ben comprida,
337Como Santa María guardou un fillo dun óme bõo que non morresse quando caeu o cavalo sobr' el.
337:26como quando Rei Erodes | lle quis séu Fillo matar.
344:7No tempo quando de mouros | foi o reino de Sevilla,
345:2quando en algũa cousa | filla pesar ou prazer.
345:5que conteceu en Sevilla | quando foi o apelido
345:15Ca os mouros espreitaron | quando el Rei ben seguro
345:32que por al nono fazía | senôn que, quando chegasse
347:17que fill' ou filla lle désse, | e prometeu-lle que quando
347:31Quando chegou a Tudía | e o meninno poséron
348:23Quando ll' aquest' ouve dito, | foi-se. E el rei pagado
349:4quando oe quen ll' ementa | do ángeo a saúde;
349:25ouv' a omagen vertude | quando ll' éra ementada
352:27E quando chegou a Touro | ouv' outro gran desconórto
355:39Quando foron na igreja | da Madr' e Virgen onrrada,
355:68e diss': “Ai, Santa María | de Vila-Sirga, e quando
355:87Quando foi en Vila-Sirga, | assí como ja contamos,
355:99Quando o todos oíron | falar atán estrevudo,
356:7Esto foi quando lavravan | a igreja, com' oí,
356:27E quando viron a ponte | vĩir a aquel logar
358:23Entôn, quando todos viron | que assí foran achados
360:12do jüízo, quando ll' ele | mostrar a cruz u pres mórte
360:16quando lle sa Madr' as tetas | mostrar con que foi crïado
362:41e pois m' este ben feziste, | quando me for mestér, u
363:2que nos tan cedo acórre quando a chamamos.
368:28e quando foi no Pórto | da Sennor verdadeira,
369:49A mollér, quando viu esto, | con mui gran coita chorando | diss': “Ai, Virgen glorïosa,
369:81Entôn fillô' a meninna; | e pois lavou aquel peixe, | quando foi que o abrisse,
370:12quando fez dela Madr' e Filla juntada;
371:7Quando el Rei Don Afonso | pobrava aquel logar
371:31Quando aquest' ouve dito, | travou lógo manamán
372:27Quando viu o marido | que cobrara séu sen
380:8quando nos acorreu
381:23Da gran vóz que déu a madre | quando a Virgen chamou,
384:2mui mais lle praz quando lle loan | séu nome que d' outras loores.
385:28E el, quando viu aquesto, | teve-se por escarnido;
386:8fez ajuntar mui gran corte; | esto foi no tempo quando
392:12quando pelos séus pecados | en al non metía mentes
401:47que me déu e dar póde | quando ll' ên prazer for;
401:95lle pedí muitas vezes; | que quando for alá
402:14nen ouve nunca des quando nací.
402:24u vós sodes, quando me for daquí.
403:10foi quando a Egito
403:17O segundo foi quando
403:27quando ll' un mandadeiro
403:42foi quando o poséron
403:50quando o despregaron
403:61quando viu na altura
404:6e desfará quando lle semellar.
411:35Ana, quando viu esto, | ouvo tan gran despeito
413:20do sól quando fér dentro ena vidreira,
414:43quando foi do ángeo saüdada,
417:2a Déus quando ll' o séu Fillo | foi no templo presentar.
417:5quando lle déu Jesú-Cristo, | séu Fill', en ofereçôn,
418:25quando ll' o ángeo disse | que do que todo mantên
419:1Des quando Déus sa Madre | aos céos levou,
419:93que algún sinal aja, | que quando o dissér
420Esta décima é no día aa processïôn, como as processïões do céo receberon a Santa María quando sobiu aos céos.
420:73Que quando a mi' alma | daquí fezér jornada, (†)Click on the line number reference to view footnotes in context.
422:26E quando s' iguaren | montes e vales e chãos,
425:12quando do céo decendeu
425:16quando con pavor os judéus
425:28entôn quando lles diss' assí
427:3nos compriu quando aos séus
427:51viu de séu Fillo quando a põer