Text concordance

Please read the notes on Using the text concordance if you have not already done so.

If you just want to find a cantiga from the first few words of the lyrics, try the Index by incipit instead.

Cantigas processed: 420

Total lines: 21656

Total words: 162243

Total distinct word forms: 10220

Alphabetical index: A | B | C | D | E | F | G | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | X | Z

Word:    Show references: always for single word results never   
1 word formCountReferences
MAIS885
B:17quéro seer oi mais séu trobador,
B:26que queno á sempre per i mais val;
B:42por ela mais de grado trobará.
1:1Des oge mais quér' éu trobar
3:1Mais nos faz Santa María
3:10mais a do mui bon talán
3:25mais depois, segund' oí,
3:41ao démo mais ca pez
4:8—ca el ên mais non avía,
4:44que foi mais doce ca mél.
5:14e soube Santa María mais d' al ben querer.
5:16e ela outrossí a el amava mais que outra ren;
5:23dizend': “Este méu irmão receb' oi mais por fillo méu,
5:52cavalgou e quanto mais pod' a Roma começou de s' ir;
5:74e metamos-lle des oi mais o moç' en poder.”
5:129Ontr' os gafos que a dona guariu, que foron mais ca mil,
5:151mas des oi mais a Santa María, que é luz,
5:158u se metesse por mais o mund' avorrecer.
6:17E o cantar que o moço | mais apósto dizía,
6:18e de que se mais pagava | quen quér que o oía,
6:26des oge mais vos consello | que o pedir leixedes,
8:24tolleu-lla outra vegada | mais tóste ca vos dizemos.
9:31“E mais vos rogamos
12:1O que a Santa María mais despraz,
13:16mais lo meirinno passava | per i e mentes meteu
14:2de poder Santa María | mais de quantos Santos son.
14:12que dos sabores do mundo | mais ca da celestïal
15:30que mui mais sei éu ca ti assaz,
15:43E mais ti digo que, se conqueiro
16:22de querer séu ben e de o mais d' al cobiiçar. (†)Click on the line number reference to view footnotes in context.
16:53de mi e da outra dona, a que te mais praz
16:56tu és a mais fremosa cousa que estes méus
16:60“Se me por amiga quéres aver, mais rafez,
18:72end' a mais béla,
22:18mais bravo foi que Judas Macabéus.
23:22se non, nunca vestirei ja mais lãa nen linno.”
25:9por fazer ben e mais valer,
26:25mais branco que un arminno,
26:76e rezõaron quanto mais podéron.
28:18por seer mais temudo.
28:102mais me quér' éu crischão
30:1Muito valvéra mais, se Déus m' ampar,
33:18con roméus mais d' oitocentos.
34:9que non podían achar ontr' outras mais de cento
35:30polas levar mais en salvo | foi-as na nave meter.
35:41con estes que aquí vẽen; | mais paremo-nos en az,
35:64e fez tirar das galéas | saetas mui mais de mil
35:87Os mais desses mercadores | de Frandes e de París
35:92moveron do pórto Dovra; | mais o que morreu na cruz,
35:106E non quis ên mais do terço, | que fezo lógo coller.
36:26que alumẽava mui mais que outras craridades.
37:5e maravillosos, por que o mais temamos;
37:7dos mais pïadosos.
37:15desses mais astrosos,
37:22seja per ti; se non, serei oi mais tẽudo
37:23por dos mais nojosos.”
37:31dos mais preguiçosos.
37:35por mais grorïosos.
38:79foi; e un daqueles mais arrufados
42:16muit' a ómẽes mancebos | mais que outro jóg' atal.
42:24e foi-llo meter no dedo, | dizend': “Oi mais non m' enchal
42:67ómẽes que con el fossen; | e per montes mais dun mes
43:58Entôn vẽo i mais gente | que non ven a ũa feira,
45:17éra chẽa de pecados | e mui mais mórta ca viva,
45:34mais los ángeos chegaron | dizendo: “Estad', estade!
45:36E disséron os dïabos: | “Mais vós, que razôn avedes
45:39Os ángeos responderon: | “Mais vós folía fezéstes
45:42mais tornad' a vósso fógo | e nóssa alma leixade.”
45:50e oi mais non vos movades | nen faledes, mais calade.”
45:57mais tórn' a alma no córpo, | se o vós por ben tevérdes,
46:2séus miragres mais sabudos
47:36disse-ll': “Oi mais te guarda | e non sejas malvaz.”
51:18que fillaron a omagen, | por seer mais amparados,
51:45Mais, com' aprendí,
52:26que nunca mais las podéron aver.
53:35E oiu mais que a Virgen | diss' a Déus esta razôn:
53:48escrito mui ben sabía, | e mui mais, per bõa fé;
53:51E por que cértos sejades | que tod' est' e mui mais sei,
55:7Esta dona mais amava | d' outra ren Santa María,
55:12Mais o démo, que se paga | pouco de virgĩidade,
55:42do córp' e crïar-llo manda | de pan, mais non de borõa.”
55:44e cuidou achar séu fillo, | mais en séu cuidar foi vãa,
55:47Mais depois assí ll' avẽo | que, u vésperas dizendo
55:60que éran i ajuntadas | de monjas mui mais ca cento,
57:65desses mais malfeitores,
57:72mais non podéra,
58:24estreit' e fond' e mais negro ca pez,
58:27Fógo, u mais de mil vózes oiu
58:44“Des oge mais non te partas de mi
58:55Mais, se Déus quisér, esto non será,
58:57ja mais null' óme; e ide-vos ja,
59:14Mais quis da orden saír
59:18mais como mollér rafez
59:20Mais nona quis leixar ir
59:76fazer, mais que non quis Déus
62:13séus devedores; mais déu-lles en gage
62:25séu fill' en prijôn, mais que llo rendesse.
63:23Mais el conde defendía-se mui ben,
63:26mais ía-os mui de rijo cometer.
63:27Mais o cavaleiro de que vos falei
63:33dos mouros; mais ante foi missa oír,
63:40Mais un séu escudeiro o trouxe mal
63:45mais a Santa María diz: “Sõo téu,
63:53mais tantos matastes vós dos mouros séus
63:63Disse-ll' est' el conde, e mui mais ca tres
63:67Mais pois que sas armas viu e couseceu
64:12con aquela dona; mais pois s' ir dalí cuidou
64:21mais ena igreja mannãa seremos i,
64:53mais a dona a trouxe peor que a un can
64:55Mais aquela vélla, com' éra mollér mui vil
64:59Mais a mesquinna, que cuidava que éra ben,
65:13mais aquel vilão porên ren non dava,
65:19Mais el por aquesto non déu nemigalla
65:28mais non lla quiséron dar pola sentença
65:30mais mandaron-lle que foss' a séu prelado.
65:43E pensou que sempr' assí ja mais andasse
65:60quisér' entôn seer mais mórto ca vivo;
65:81é grand' ou maior; mais ía con gran medo
65:104non vos semellaría fól, mais sisudo;
65:109polo comer, mais o óme déu-ll' a carta
65:116mais pois que for noite, nada non dormiades
65:118mais jazed' en este lugar mui calado.”
65:133mais tu que és mui misericordïosa,
65:140e catou-os todos; mais tardou mui pouco
65:174per que fosse do mundo mais despreçado.
65:179Aínda vos direi mais de mia fazenda:
65:197mais Déus por el lógo miragres mostrados
65:201guardand' o sepulcro; mais Déus verdadeiro
66:57mais o que ti éu dad' avía (†)Click on the line number reference to view footnotes in context.
67:8sisud' e fazedor d' algo, | mais tant' éra bon crischão,
67:10ca de todas outras cousas | mais amava caridade.
67:17que aos póbres servissen; | mais o démo con enveja
67:41mais quando se levantava, | ũa oraçôn dizía
67:52e mui mais religïoso | que se morass' en ermida;
67:65mais pero na cima vẽo | ant' eles todo tremendo;
67:70é démo sen nulla dulta, | mais un pouco vos calade.”
68:25mais pero non convên a mi
69:16mais per sinas todo ben entendía
69:37que de faiçôn e de coor mais béla
69:45destes de sirgo, mais come ovella
69:62perant' a pórta que é mais jusãa
70:2cinque letras, no-mais, i á.
70:4e mais MANSA e mui MELLOR
71:6do reino de séu Fillo, | mais per que i entremos.
71:16e suspirava muito, | mais rezava correndo
71:24mais a Virgen lle disse: | “Sól non prendas espanto,
71:29Esto mais ca mesura | foi, e porend' aginna
71:33mais mentre fores viva, | un rezar ordinnado
71:46de quant' ante dizías, | e mais t' end' amaremos.”
72:32que nunca mais fal;
72:34disse mal, mais que da Flor,
74:7E ao démo mais feo d' outra ren
74:24Mais entôn o dém', en que todo mal jaz,
74:29en térra; mais el lóg' a Virgen chamou,
74:37e viron o démo mais negro ca pez
75:3mais d' orgullo con requeza
75:15mais amava Jesú-Cristo | e a sa Madr', a Reínna,
75:16mais que outra ren que fosse. | E con tant' éra pagada
75:20mui mais se pagava desto | ca de seer ben erdada.
75:23mais a vélla aa Virgen | avía por séu conórte,
75:25Mais o capelán correndo, | quando soube com' estava
75:38mais por ren que lle dissésse, | partir non s' ende quería;
75:48ten a mórt' á mais dun ano, | e pero non é finada.”
75:74vestidas de panos brancos, | muit' apóstas e mais bélas
75:83seer, mais fez aa vélla | que se ferisse no peito
75:89Non me leixes mais no mundo | e léva-me ja contigo
75:92mais quéro que ant' un pouco | sejas ja quanto purgada,
75:94e non ajas outr' empeço, | mais sempre goio e riso,
75:126Mais valvéra que non fosse | éu en este mundo viva,
76:13mais sa madr' ouvéra por el a perder
77:6o mais de séu córp' e de mal encolleito.
77:14se ll' ela fezéra, mais a séu proveito
77:25mais a Santa Virgen non alongou preito,
78:12mais que outra ren amave Santa María,
78:18aver con el conde sa vida mais viçosa.
82:16queremos de grado, mais nïún poder
84Como Santa María resuscitou a mollér do cavaleiro, que se matara porque lle disse o cavaleiro que amava mais outra ca ela; e dizía-lle por Santa María.
84:8con dona menínn' e béla, | que amou mais d' outra ren,
84:12e mais d' outra ren amava | a Virgen espirital;
84:25A mollér entôn calou-se, | que lle non falou mais i;
84:26e pero parou i mentes | sempre mui mais des entôn.
84:30se el amava mais outra, | que dissésse si ou non.
84:33mais d' outra cousa do mundo | e por séu sempr' andarei.”
84:34A dona tornou por esto | mais negra que un carvôn;
84:45mais tu, Sennor, que sofriste | gran coita e gran door
85:17Do séu aver. Mais el conas pẽas que sofría
85:19mais fremosa que o sól; e lógo ll' as prijões
85:23e por saber mais quen éra, fez sas orações
85:36e d' outros dïabos, negros mui mais que carvões,
85:37Que mais de cen mil maneiras as almas pẽavan
85:42mais tan tóste foi a outro gran monte levado
86:25mais o mar creceu e colleu-a alí,
86:35Mais a Santa Virgen que ela rogou
87:10quant' ele mais podía.
89:19que éra mais mórta ca viva,
89:53Mais ela, por peleja
89:58mais de-la entrada
91:42mais quanto podían ir;
92:34e aínda che mais fará.”
93:11mais tod' aquele viço que à carne praz
93:27a Virgen grorïosa e diss': “Oi mais non
94:22quanto mais podía;
94:31mais ant' ela foi leixar
94:42mais ca si sabía,
94:48mais la Virgen de bon prez,
94:55Mais enquant' ela andou
94:65Mais pois que s' arrepentiu
94:88mais la Madre do Sennor
95:23mais o que de comer éra adubar fazía
95:32déron con el no navío, oi mais Déus lle valla!
95:45Mais o almiral dos mouros éra entendudo,
95:55Mais desto non fillou ren e, ben come quen cata
95:61mais de fillar aquel vidro muito lle prouguéra,
95:72mais el Cond' Abrán acharon pois muitas vegadas
96:13mais pẽedença prender non quiséra
96:44mia alma, mais que a tésta tornasse
97:16a Virgen quanto mais podo fazer.
98:20mui mais son as tas mercees | que pecados méus;
99:24e mais béla parecer
100:8son; mais per | ti son perdõados
100:12mais que non devería.
100:22mais ca ren | pera Paraíso
102:11e quant' ele mais podía
102:35mais avía i avondo
102:48Mais ben sõo sabedor
102:50mais, en com' éu ei oído,
102:54mais ant' o foio cobriron.
102:64mais chagad' e sen coor.
103:9Entrara; mais aquel día | fez que ũa font' achou
103:19que grandes trezentos anos | estevo assí, ou mais,
103:23e diz: “éu daquí ir-me quéro, | ca oi mais comer querrá
103:34e outrossí o convento; | mais des que soubéron ben
103:38E por aquesto a loemos; | mais quena non loará
103:39Mais d' outra cousa que seja? | Ca, par Déus, gran dereit' é,
104:22e punnou quanto mais pode | de se dalí lógu' erger.
104:29lóg' a ela séu amigo | e ja mais nunca partir
105:15mais se me crevéres, irás mui cedo
105:27Mais séu padre lle diss' assí un día:
105:41Mais oïredes maravilla féra
105:61Mais, por non meter ontr' eles baralla,
105:71Mais ontr' aquestes aquela cativa
105:75E metêrona mais mórta ca viva
105:89E léva-t' ên, ca des oi mais és sãa,
105:96mais como me poderei levantar?”
106:16mais fôronos a prender
106:31en térra; mais non s' ergeu:
106:34Mais poi-la noite chegou,
107:31Mais pois dalí foi caúda,
111:6mais assí como ll' avên.
111:35Mais a Madre do onrrado
113:11mais Déus non quis esto sofrer
114:8mais ca ren, e sempre o acomendava
114:38e mais a aqueles que lle son leaes.
115:46Mais o dém', a que pesou
115:89mais pois compriu o preito,
115:100por que o mui mais ca pez
115:103mais todo o meninno
115:188mais atanto te direi
115:280mais o ermitán fïél
115:303que des oi mais és quito
116:11Aqueste mais d' outra ren
117:13mais ca en outro día, tant' éra atrevuda;
117:15Mais que vissen a vingança judéus e crischãos
119:12bevía, mais non usava muit' andar caminnos
119:28sobr' un poço fond' e negro mais que ũa móra,
119:47Ca sabe que mais dun día non será ta vida;
119:55E null' óme mais coitado non foi queno visse.
120:9e mais d' outra ren a amarán,
121:19Que mui ben encavalgados | viínnan; mais, a la fé,
121:20ele assí non estava, | mais en un séu palafré
121:36que veemos cabo dele | mais béla ca nulla flor,
121:41que en sa mão tevésse; | mais pela térra oiu
121:44mui mais; e este miragre | per muitas térras contou
122:21de Burgos; mais la meninna 'nfermar
122:30que vivesses, mais quiso que na az
122:39E disse: “Ja mais non me partirei
123:15Que mais fea cara podía tẽer
123:17mais outro bon frade foi lógu' encender
123:33mais poi-la candea adusséron i,
124:13e a Sevilla quand' éran | de mouros, mais dũa vez,
125:19que en toda-las maneiras | provou de a vencer; mais non
125:27mais nada non adobaron, | ca a Madre do Salvador
125:32que o que a enganasse | mui mais ca nós sabería.”
125:38e oi mais de a averdes | tenno que non será mui gréu.”
125:57E disso: “Casemos lógo.” | Mas diss' o padre: “Non, mais cras
125:62e outro día mannãa | casaron; mais, que vos direi?
125:67obridou-xe-lle a nõa; | mais la Reínna de gran prez
125:71vassalos nen de méu Fillo, | mais és dos ẽemigos séus,
125:76mais leixa esta loucura | e tórna-t' a crerezía.
125:86farei mui de bõa mente; | mais este, de que soon mollér,
126:30mais de ben que podemos comedir.
127:21mais dentro na sa eigreja | sól entrar nono leixou
127:25per força; mais non podéron | daquel logar o mover
127:34mais sa madre, pois viu esto, | começou de braadar,
127:41mais pon-llo u x' ant' estava, | e ta mão tragerás
130:13mais esta nos dá sis' e faz-nos pról
130:16e esta dando-o sempre mais val;
131:12ela a Virgen amava mais d' al ren;
131:27Mais la santa dona, sa mollér, que fez?
132:21mais éra tant' omildoso
132:26que mais d' outra ren amava,
132:38E do que lle mais falavan
132:39per que se mais alegrasse,
132:44mais a el non lle prazía.
132:54das mais ricas que sabían
132:55ena térra e mais béla,
132:65que mais en el non cabía.
132:88que mi mais que al amavas
132:98Preçaste mais los séus bẽes
132:107põer; mais pouqu' el comía,
132:121aver del, mais non podía.
133:10come crischãos, mais non com' encréus.
134:42foron; mais de fóra
134:54mui mais que lentérna;
134:55mais la Madre de Déus lle diss': “Acordade,
135:42se querían mais d' al ren,
135:86mais levade-m' acolá
135:105que corre mais que estruz,
135:120que nunca mais destorvado
136:20Mais la Madr' alçou o braço lógo mui festinno,
136:29mais o braço per niũa ren non llo tornava
137:8e loava os séus bẽes quanto mais podía,
137:14Mais aquela que parindo Virgen foi enteira,
137:36nen outros nembros do córpo, mais que fossen sãos;
137:37mais se o metess' o démo en cuidados vãos
138:38o que mais téu Fillo, se el mi perdôn,
138:41mais aa outra noite ll' apareceu
138:50méu Fillo mais d' al, e con mui gran razôn;
138:53e porende as amou mais d' outra ren,
139:35Mais la figura da Virgen mui sagen
139:38mais tigo jante
140:6mui mais ca cen mil vegadas.
141:6e sa onrra, que nunca mais será falida.
141:21e a dous monges disse: “Oi mais aguardade
141:35Mais depois o abade nen aquel convento
144:11sabía mui mais d' al ren ben querer.
145:17mais tal non foi ele come o que sérra
145:25mais à Virgen santa, per com' ei oído,
146:21Pero mui mais que outra ren
146:26lle rogava mui mais que al,
146:37Mais la madre lle defendeu
146:67Quand' o oiu, mui mais ca pez
146:70mais como coitada mollér
148:17mais ena Virgen santa | fïava e criía
149:14que amava mais d' outra | cousa Santa María,
149:44mui mais que nulla outra | que seja creatura.
149:51des i non viu a Virgen, | mais disse-ll': “éu te rógo,
150:9Preçou-a mais d' outra ren que fezésse,
150:12mais que quantas cousas feitas avía.
151:4por un crérigo que muito | a onrrava; mais fazía | sa vida lussurïosa
151:19Ela serrou as fẽéstras | o mais de rijo que pode, | que non viss' el ren de fóra.
154:27Mais depois que entenderon | que esto assí non éra
155:7Ca séu Fillo faz por ela | mais que por null' outra ren;
155:13mais pois vẽo a vellece, | sentiu-se por pecador
155:25e con séu pichél por agua | foi; mais ela lle fugiu
156:11mais, polo fazer penado
156:14porque nunca mais da Virgen | fosse loor compõer.
156:21E o que mais grave ll' éra,
157:6mais a sa óspeda foi-lles | mui maa de cabo são.
157:13feijóos ben come eles; | mais o démo a torvou,
157:14que quis ende provar ũu, | mais non lle saiu en vão.
157:18ca lle passou as queixadas | mais dun palm' e ũa mão.
157:19Muitos méges i vẽéron, | mais non podéron per ren
159:12mais que del perdôn ouvéssen | de quanto foran pecar.
159:16na ola, ca tantos éran; | mais poi-las foron tirar,
161:7Est' avía ũa vinna | que mais d' outra ren amava,
161:21en toda-las outras vinnas, | mais na súa, polo rógo
164:38e foi des i adeante | sa eigreja mais dultada.
165:6e porend' aos crischãos | desamava mais que al.
165:12por saber mais sa fazend', e | un deles saber-lle fez
165:28contaron-se quantos éran, | mais poucos s' acharon i.
167:12Mais las mouras sobr' aquesto | lle davan mui gran contenda;
167:13mais ela lles diss': “Amigas, | se Déus me de mal defenda,
169:34e o mais d' Arreixaca | a Aljama mi déu
169:44gãar Murça per arte. | Mais sa falss' armadilla
170:15Loada deve seer mais d' outra ren (†)Click on the line number reference to view footnotes in context.
174:5mais foi assí que un día | con outro dados jogava,
174:8mais de mal diss' essa óra | da Virgen Santa María.
174:22que lle pareceu mais crara | que o sól en ourïente.
174:25mais sãar-t-ei óra dela, | porque en mi confïaste,
181:2os que a Virgen mais aman, | a esses ela ajuda.
182:29Mais ũa mórt' aginna
182:34mui mais ca Damïata
182:35Mais longe o levaron
182:39Mais sa madre coitada
184:9De séu marido; mais ela, | polas súas pecadillas,
184:11todos lle morrían lógo; | mais das súas maravillas
184:27Mais quiso Santa María, | a que o encomendara
185:9mais de guardá-lo a cima | lle mengou muito o sen,
185:21mais se me tu desto mentes, | lógu' i al non averá,
185:46no castélo á quinz' ómes, | mais non tẽen que comer.”
185:68non ei de mais combatermos, | e tẽer-m-ía por fól
186:8con marido que amava mais d' al ren,
186:11O marido a amava mui mais d' al;
186:12mais sa sógra lle quería tan gran mal,
186:19A ta mollér que amavas mais ca ti,
186:28mais la madre lle disse: “Non faças, non;
186:29mais aa jostiça móstra ta razôn,
186:54mais ficou a dona como quen está
187:37ca muito mais ca esto por ela nos faría.”
188:6que averedes na Virgen | porên mui mais a fïar.
191:9aver; mais polo castélo | non ficar assí senlleiro,
192:20amava mais d' al,
192:37Maïs non podéra, (†)Click on the line number reference to view footnotes in context.
192:69maïs defendendo (†)Click on the line number reference to view footnotes in context.
192:79mais aa terceira
192:111“Mais mannãa crara
192:122mais com' antivãos
193:14Mais acorreu-lle a Virgen | que nunca errou nen érra,
193:32ca tiínnan que mórt' éra; | mais pois lo ben connoceron
194:8Mais da besta e dos panos | que aquel jograr tragía
194:22mais nono sofreu a Virgen | nen séu Fillo grorïoso.
194:37óme do córpo; mais esto | ant' a profeta o disse,
195:39mais sempr' avondosa.
195:52nunca mais serei chamada
195:86que mais proveitosa
195:100mais lá mui queixosa
196:13foi; mais ant' en aquel tempo | a nóssa fé começada
196:21mais non achou i omagen | na forma que el cuidava,
196:37bẽeita, disse: “Convósco | oi mais non quéro peleja,
197:12e est' un séu fill' avía | que amava mui mais d' al.
197:13E porque aquel séu fillo | amava mais d' outra ren,
197:16mais dest' a madr' e o padre | avían coita mortal.
197:19mais ũa vez atán fórte | o fillou, que ben alí
197:26a Terena, mais non quiso | Déus que o fosse comprir;
197:27mais éu, porque ele seja | perdõado, sen falir
197:29Mais ficad' ant' os gẽollos | e aa Madre de Déus
198:9mais o démo, de mal chẽo, | meteu ontr' eles tal sanna,
198:12e durou o mais da noite | aquesta malaventura,
198:13cuidando que se matavan; | mais a nóbre Virgen pura
198:15Fossen da lid' a sa casa, | mais en meógo dun chão,
199:22e tornou-ll' o rosto negro | muito mais que os carvões.
200:6mais bẽes, que contarei.
200:22quantas mais podér direi.
201:1Muit' é mais a pïadade de Santa María
201:46como nunca mais fora, | e assí a guaría,
201:49Mais se te ben partires | deste mal que fezéste,
202:29Mais a cabo dũa péça | a omage s' enclinou
202:33e veredes a omagen, | por seerdes ên mais fis,
204:6que podía en começo | per ele mui mais comprir.
205:29ũa moura con séu fillo, | que mui mais ca si amava,
206:11El a dona mais fremosa | d' outra ren viu e meteu
206:38e porque o mais crevéssen, | foi-lles a mão mostrar.
207:7El avía un séu fillo | que sabía mais amar
208:16e fillou o Córpus Crísti, | mais per ren nono passou,
208:46aa Sée a capéla, | por que fosse mais sabudo.
209:6e de a loar mais d' outra ren me praz.
211:33loaron a Virgen, e mais creentes
212:10que póssan en súas vodas | mais ricas aparecer.
212:20mais poi-la ela por Santa | María esconjurou
213:12que éra bõa e salva; | mais en séu cuidar errava,
213:13ca ela mui mais a outros | ca non a ele amava,
213:17por fazer mais a sa guisa, | des que s' achou sen marido,
214:5e daquesta guisa quéren | gãar; mais Santa María
214:6non lle praz de tal gaança, | mais da que é con verdade.
214:29mais dou-vos esta igreja | por vóssa, en que servida
216:38ca te tóllo que non póssas | ja mais fazer-lle pesar.”
216:41mais fillad' ên pẽedença | e repentide-vos ên,
217:16per força ena eigreja; | mais non ouvéron poder,
218:34ca de o mais levaren | sól non foron ousados,
219:32e des i que o raesse; | mais sól non lle prestou ren:
221:10por que conquereu de mouros | o mais da Andaluzía.
221:23Mais Déus non quér que o óme | estê sempr' en un estado,
221:32e mui mais polo meninno, | a que todos ben querían;
221:48tan ben que nunca mais fora; | demais déu-lle bon sentido.
222:31Mais agora oïredes | todos a mui gran façanna
223:8mais dũa sa casa, cabo Monssarraz,
224:18muito en Santa María; | mais avía gran tristura (†)Click on the line number reference to view footnotes in context.
224:21Mais sa mollér emprennou, | e u cuidou que folgasse
224:31E un an' enteir' ou mais | en sa casa a crïaron.
225:17cousa; mais mui grand' esforço | fillou, a fóro d' Espanna,
225:46mui mais na fé confirmado, | e non foi luxurïoso.
226:14mais quis Déus por ela gran cousa mostrar.
226:21mais Santa María alá o guardou
226:38de fazer tod' esto e mais, sen dultar.
226:40foi Santa María; mais pois foi fazer
227:9tẽer a fésta d' Agosto; | mais pois foi por sa besonna
232:15Tod' aquel día buscó-o, | mais per ren nono achou;
232:20que o buscou, mais achá-lo | non pode, per com' oí;
233:33mal de Déus e de sa Madre | se i mais fazer provassen,
235:5Rei, e da Andaluzía | dos mais reinos que i son;
235:8loava mais d' outra cousa, | e non prendía afán
235:18seend' os mais séus parentes, | que divid' é natural.
235:21mais conortou-o a Virgen | dizendo: “Non dês porên
235:26e d' oi mais mui ben te guarda | de gran pecado mortal.”
235:47Ca os mais dos ricos-ómes | se juraron, per com' éu
235:53se moveu con mui gran gente; | mas depois foi mais cortês,
235:73lle fez ben sentir a mórte; | mais eno día fiíz
237:25Mais aquel día que saír | avía sábad' éra,
237:34con ela, mais disse-ll' assí | ela: “Por Déus te rógo
237:36méu abade, o prometí.” | Mais el foi demovudo
237:43a méu mal non queiras catar, | mais o téu ben m' ajude
237:54e non se mãefestou. Mais | fôrona desnüando
237:59mais a de qu' el rei Salomôn | falou, santa e pura,
237:89Mais mãefést' aja por Déus, | se ben fazer queredes,
238:13foron ên tan espantados | que se foron os mais d' i;
238:14mais el de viltar a Virgen | e Déus sól non s' enfadou.
238:17mais o coraçôn proposo | e todos los sisos séus
238:21E el est' e mais dizendo, | ei-vos un capelán ven
238:49que nunca mais falou nada; | e porên, pa-San Dinís,
239:46que ja non pude mais mentir,
240:33rogar por nós u nos á mais mestér
240:40eno jüízo mais irado for,
241:23que se entôn chegara; | mais quis a Grorïosa
241:35mais de-la cinta suso; | foi o dém' o puxando
241:43mais a madre do moço, | pero se del dolvéron
242:12e mais d' outra ren fïava | na Virgen esperital;
242:15Un día en que lavrava | no mais alto logar i
243:23mais chamand' a Grorïosa, | os geos se desfezéron,
245:42ca mais non soon atrevudo | de dar, par Nóstro Sennor.”
245:44se poderían aínda | del mais dinneiros levar;
245:53mais sól falar non podéron, | nen óme non s' abalou
245:54que se levantar podésse, | mais ouvéron gran pavor.
245:72e diz; “Sennor, muit' é alto, | des i u mais baixo é
245:73á i mais de déz braçadas | ou doze, per bõa fé.”
245:78de me fazeres serviço | averás mais méu amor.”
246:6que sabía ena Virgen | mais doutra cousa fïar.
247:22e des oi mais penssa dela, | ca de mi sól un bocado
248:3Ca u a nóssa natura | quér obrar mais mal ca ben,
249:17eno mais alto da óbra, | como bon maestre faz.
249:19E caeu ben do mais alto; | e en caendo chamou
252:12cuidaron que éran mórtos. | Mais a Sennor spirital
253:13sempr' avía gran fïança; | mais a Sennor pïadosa
253:53d' éu querer o bordôn vósso | levar; mais vós, Virgen pura,
255:24por se por i mais viçosos tẽer.
255:25Mais mal empeço
255:31com' este. Mais ela per que mórto
255:56Mais a sógra mãefestou a pran
257:17mais as de Santa María éran ben guardadas,
258:8e ũa mollér mui bõa, | que amava mais ca si
260:10A que é mais que bõa
261Esta é da bõa dona que desejava veer mais d' al óme bõo e de bõa vida, e bõa dona outrossí.
261:56quiséstes que vos foss', oi mais levar
262:5mas eno Poi fez aquesto | a mais fremosa que sól
262:34ben cantar “Salve Regina.” | E mais gente que en feira
265:12mais de grand', e sempre des sa meninnez
265:17amou mais que al ren, e por lle leal
265:21a Virgen loando. Mais pois cativou
265:35Qual deles escrevía mais nen mellor.
265:51Mais en Pérssïa o fillo do burgês,
265:58se mais semellaron en súa faiçôn.
265:81mais farei-vo-ll' éu o que mal fazer quis,
265:90per u mais poder.” E el en oraçôn
265:97Mais tu que és Madre daquel que Aióz
265:105ant' o altar. Mais la que sempre aduz
267:27Mais pela costeira do gran mar d' Espanna
268:42de quantos nembros avía | mais tóste ca vos dizemos.
269:8quería mais d' outra cousa, | pero non oía ren
270:16en poder do dïabo; | mais quise-se doer
272:6devemos mais d' outra cousa | sempre servir e loar.
273:35Este miragre, mais nóvo; | e por aquesto, varões,
273:38e mais lágrimas choraron | ca chẽo un gran botello.
274:25por acabar; mais aginna | te tórna lógo daquí
274:35Aínda de ta fazenda | mais te desenganarei:
275:31Mais agua me dade que beva, por Déus,
276:20mais un deles se britar
276:33Mais mól' a cabeça ten
276:45mais ant' a luz gran sabor
277:10d' achar un cérvo no monte, | mui mais grósso ca de bren,
277:20quanta mais dela podéssen | e que a non leixarían,
278:5u faz ameúde muitos, | que son mais doces ca mél,
278:17albergar mais adeante | a ũas chóças que son
279:14que me fezo mais verde mia coor (†)Click on the line number reference to view footnotes in context.
281:14mais se a cobrar non pósso, | ir-m-ei algur esterrar.”
281:17“Cuidas tu no que perdische? | Ja outr' óme mais perdeu
281:22mui mais ca o que perdische.” | E el foi-llo outorgar.
281:32de sa Madre non negares, | mais dou-che mui grand' aver;
281:33demais negasch' os séus santos, | mais al mi ás de prometer
281:44e non entrou na eigreja, | mais algur de fóra 'stá.”
281:49Disso el: “Mais é m' irada | con dereito, a la fé,
281:55Mais des oje mais do démo | m' espeço e négo éu
281:65E déu-ll' entôn por erdade | mui mais ca ouvéran séus
282:11Est' avía un séu fillo | que amava mais ca si;
282:18amava mais d' outra cousa | como séu fillo carnal,
283:48mais braadou come cabrôn.
283:51e temêrona mais des i.
285:10amar mais d' outra cousa | a Virgen que nos guía.
285:16ja mais aquela monja | nunca de si partía,
285:29e que nunca del pesar recebería, mais prazer.
285:36por se con séu amigo ir; mais en ũa capéla
285:44que se foi quanto ir mais pode ao dormidoiro.
285:71mais muit' ên prazía
285:77aínda mui mais lle déu, que ante que passass' un mes
285:78a fez sennor de sa erdade, mais ca ll' el disséra.
285:80a mais viçosa dona | que viver podería,
286:18ca pois se sentiu maltreito | non quis mais alá jazer.
286:28por dar-lle con ũa pédra; | mais viu de como caeu
287:12mais d' outra cousa que fosse, | e avẽo-ll' end' assí
287:20mais o falsso, que avía | gran sabor de a matar,
287:29mais tan tóste foi con ela | a Reínna sperital,
287:35Que oi mais comigo sejas: | ca a Virgen me guariu
288:26que a sa gran fremosura | mais ca o sól esprandece.”
289:19De segaren; mais tan tóste | aquel lavrador levaron
290:16e esto ja mais non lle falirá.
291:27Mais pola ta pïadade | que sempr' ao pecador
292:37quites, que nunca mais foron | San Marcos e San Matéus,
292:50que o ten por mui mais nóbre | ca se fosse de cristal.
293:4fez o óme, e porende | dev' amar mui mais ca si
293:11E el con sabor daquesto | ja mais non fazía al
294:6mais o coraçôn en ela | e sejades chus creentes.
294:34mui mais ca ante non éra | de todas aquelas gentes.
295:12sempr' outros panos mais ricos | pola fésta mais onrrar,
295:39“Non,” diss' ela, “mais as vóssas | mãos vos beijarei éu
295:47E des alí adeante | serviu mais, com' aprendí,
295:48aa Virgen grorïosa | e loou-a mais des i;
296:19Mais fremosa e crara | que lũa nen sól é,
297:35E des oi mais sa fazenda | nunca irá adeante,
299:8esta Sennor quant' ele mais podía,
299:20ena trager assí; mais vai ta vía
300:62mais maldad' e
301:18e des oi mais te prometo | que me guarde de loucura.”
303:30tanto que oi mais téu feito | nono metas en balança.”
305Como Santa María fez ũa carta de pẽedença que tragía ũa mollér pesar mais en ũa balança que quant' aver poséron na outra
305:52mas mui mais pesou a carta | en que avía tesouro
308:8a Virgen Santa María | e mais d' al ren se guardar
308:16mui mais ca d' idropisía | nen por razôn d' emprennar,
309:8e un Emperador bõo | per quant' ele mais podía (†)Click on the line number reference to view footnotes in context.
311:4quanto mais na Virgen santa | ond' avemos todo ben;
311:24Mais aquel óm' afogado | foi, que pera Monssarraz
311:37demais perdísti grand' algo | que lle désti; mais a mi
312:5que mais ama limpidõe | que avarento requezas,
312:18por obrar mais a sa guisa | e non ouvésse d' al cura.
312:35Mais entrou-ll' en voontade | que aquelo non fezésse,
312:36mais que s' esforçasse muito, | o mais que ele podésse,
312:54Mais o logar foi pequeno | e de mui grand' angostura.
312:57mais pero seer non soube | tan sabedor nen arteiro
313:3Ca razôn grand' e dereito | é de mais tóste prestar
313:8que loaredes séu nome; | aínda vos mais direi:
313:29mais un crérigo que éra | i, pois viu a coita tal
313:50chegar; mais tu esta coita | nos pódes toda toller.”
314:8amava Santa María | mais que quantas cousas son;
314:21sa mollér que i folgasse; | mais a que o mundo ten
314:43mais tu, Virgen, de Déus Madre, | non cates os érros séus
315:9que avía pequeno, | que mais ca si amava,
315:44com' éra tod' inchado; | maïs non lle sentiron (†)Click on the line number reference to view footnotes in context.
316:10mais que sempre a sabiades | servir, temer e amar.
316:12que sas cantigas fazía | d' escarnno mais ca d' amor,
316:33mais por emenda daquesto | farei-a nóva fazer,
316:44trobe nen cantares faça | oi mais, ca non mi á mestér; (†)Click on the line number reference to view footnotes in context.
316:45mais por ti direi de grado | quanto ben dizer podér,
317:18mais ela per ren non llo consentía.
317:20mais proug' a Déus e nono pod' acabar,
317:43Mais avẽo-ll' en como vos éu direi:
318:12mostrav' acá aa gente, | mais non éra assí, non;
321:14e maravedís quinentos | ou mais lles déu a mesquinna.
321:15Mais eles, por nulla cousa | que lles désse, non podéron
321:36mais fazed' agora tanto | éu direi, e vos calade,
322:4mais sempre en todo tempo | d' acorrer no-nos demóra
323:28mais na casa daquest' óme | non entraron nen tangeron;
324:21atá que foi toda dita; | mais o póblo lle pediu
324:36mais o que primeiro disse | foi: “Santa María, val,
325:10e averá mais fïança | eno séu ben todavía.
325:13con pouco pan e mui mao, | e mui mais mórta ca viva
325:22mais enante que morresse | amba-las chamar fazía.
325:32mais a outra mui sannuda | disse: “Sól non é penssado,
325:36no cárcer deitar ontrambas; | mais aquela sen demóra
325:50mais verdade mui certeira | qual con séus ollos viía.
325:57mais o colar da cadẽa | toller per nulla maneira
327:11Pouco mais ca ũa vara | o pan' éra, com' oí,
327:20deitava-s' a dormir lógo; | mais pero pouco dormiu,
328:30per que fosse mais aginna | aquel feit' enderençado,
328:47Ante quanto mais punnava | e provava e quería
328:48de vedar aquele nome, | a gente mais lo dizía;
328:53ontre mouros e crischãos; | mais a Virgen, que traballa
328:59Ca entendeu ben que Cádiz | mais tóste pobrad' ouvésse;
329:22a fezo Déus mais onrrada | e de todos mais valer.
329:32mais ante que aa pórta | chegasse, cégo tornou
329:48mais aquel per nulla guisa | non falou nen se moveu;
329:55Aquel mouro que estava | mui mais negro que o pez
331:5que quant' é o mal chus fórte, | tanto o tól mais aginna,
331:11Ũa mollér ouv' un fillo | que mui mais ca si amava,
331:16Mais o moç' a pouco tempo | dũa gran féver morría;
331:25e oi mais jarás so térra | ben como jaz téu avóo,
332:27Mais a Virgen grorïosa | non quis esto consentir,
332:35Que ordinnou que o véo | delgado mais ca cendal
332:36podéss' amatar o fógo | e non sofrer que mais mal
333Como Santa María de Terena guariu ũu óme contreito que andava en carreta mais avía de quinze anos.
333:10si que en carret' andava | mais de quinz' anos avía.
333:16grandes, mais non lle valía | nada, ca Déus o guardava
333:32maravillavan-se dele; | mais quise Déus que sabudo
333:34por que foss' este miragre | mais provado todavía.
333:44mais, que fez a Virgen santa, | dos pecadores vogada?
335:16dava de grad' aos póbres | o mais do que el avía.
335:18e a provar o vẽéron | por saber ên mais verdade.
335:22que ll' ende porên vẽésse. | Mais a que por omildade
335:29mais todo quanto tiínna | a póbres lo ei ja dado.”
335:49quanto mais buscar podía, | mais neún nona achava.
336:13quant' el mais loar podía, | e por séu amor ar dava
336:18éra que mais non podía | seer, per quant' aprendemos,
336:21mais depois ll' escaecía, | como óme que s' obrida
336:24non estand' en un estado, | mais caend' e levantando,
336:30éu e os mais deste mundo | por pecados que fazemos.”
336:37mais est' érro per natura | ben des Adán é-xe nósso,
336:42que ja mais esto non faças, | ca desto poder avemos.”
336:46tornou mais frío ca néve, | nos miragres lo leemos.
337:6e vira i muitas cousas, | mais fôrono espertar.
337:17que mui mais ca si amava; | porend' un día lle déu
337:18un séu caval' en que fosse, | polo mais apessõar.
337:22Mais o padr' abriu a boca | e a Virgen foi chamar,
338:13que a mais de sa fazenda | toda per ele tragía,
339:21mais un óme bõo lles disse: “Non
339:33a agua da nave. Mais a que val
340:16mais Déus por ti da altura
340:39éran; mais alumeados
340:53mais pela ta gran cordura
341:9mais casou con ũa dona, | e foi dela tan ceoso
341:32mais en aquel altar santo | do Poi quéro que juredes
341:49muit' alt' e muit' espantoso; | mais pavor per nïún preito
343:4en que jazía o démo; | mais aquel Déus que sãava
343:12ouve mui grande fremosa; | mais o dïabo, que trilla
344:10de dizer como foi esto | por averdes mais creença.
344:20que mais cerca non podían; | e na font' abeveraron
345:40mais que aquele castélo | per ren tẽer non podía
345:50e foron pola queimaren, | mais sól nunca pod' arder.
345:56que mais seer non podía, | pero éra pequeninno;
346:10ond' o sól, quand' el pres mórte, | tornou mais negro ca móra.
346:12mais ũa enfermidade | ouve mui perigoosa;
346:14de o perder e o córpo. | Mais a inchaçôn foi fóra,
346:16que mais seer non podía, | e vermell' e ampolado
346:18non comía, nen al nada. | Mais aquela que sempr' óra
347:2póde resorgir o mórto | de mui mais ca quatro días.
347:8en riba d' Aguadïana | morava; mais pois ouvéra
347:25foi depois ben a tres anos. | Mais tal foi o desconórto,
348:9mais atán muito fïava | na Virgen Santa María,
348:20onde por mingua que ajas | non dês ren, mais atrevudo
348:32Mais depois ben a un ano | fez óste sobre Grãada,
349:3Ca pero é mais que santa, | sempre lle creç' a vertude
349:17E os que aquest' oían | de mais longe ca cen millas
351:30mais de fond', e per ventura | pód' i algún pouc' aver.”
352:5por mui grande o terredes | quant' en ele mais cuidardes,
352:16mais avía voontade | d' ante séu sennor tragê-lo,
352:17porque mui mais d' outra cousa | lle prazería d' avê-lo
353:48cada día; mais o Fillo | da Virgen de mui bon prez
353:66nunca m' ante falou nada, | mais foi-m' oje convidar
355:17mais soube-o a manceba | e depós el se saía
355:53mais digo-vos gran verdade; | e porend' outro consello
355:72non cates a méus pecados, | mais, Sennor, por ta bondade
355:83Mais a Virgen glorïosa, | que chaman os pecadores
356:10Mais madeira lles falía, | de que estavan peor
356:13punnavan de a averen. | Mais esta santa mollér
356:25mais fazer nono podéra, | como por verdad' achei,
357:11Mais pois entrou na igreja | daquesta Santa Reínna,
357:20lle tornou fremos' e são | como nunca mais ouvéra.
357:22os séus miragres tevéron | por dos outros mais preçados.
358:22foran pera lavrar tóste | e mais ca pédra mẽuda.
359:7Amava mais d' outra cousa. | E des que chegou alí
359:27Mais o padre e a madre | cuidaron morrer sen al
363:6mais quantos somos no mundo enquanto vivamos.
363:17mais a nóssa avogada, Reínna María,
364:9e fazían fondamentos | fondos, per que mais tẽente
364:10foss' a óbra e mais firme, | todo de pédra mui dura.
364:13se dentr' en ela caesse, | mais que tan tóste fĩisse,
364:18leixou-se caer sobr' eles. | Mais non ouvéron ên cura;
365:18quér' oi mais andar viçoso | e comprir mia voontade.”
366:13mais guariu pela mercee | da que é Madre e Filla
366:20mais levou outra gran gente | de mui bõos falcõeiros
366:22mais ante que se tornasse | perdeu ũu dos mellores,
366:30séus falcõeiros, e lógo | fillou dos mais sabedores
366:38e foron caer en térra. | Mais os que connoscedores
366:46o falcôn que lles vẽésse. | Mais macar braadadores
366:51En comer quanto mais pode. | Mais Don Manüél, con manna
367:39Mais el Rei, que toda sa esperança
367:42mais foi-s' ao Pórto quant' ir podía.
368:23Mais se tu perder quéres | doores e pesares,
369:6que fezo Santa María, | por que mui mais d' outra cousa | sempr' en ela confïedes;
369:21Mais ei agora osmado | ũa cousa, per que lógo | en est' érro a metades:
369:27Mais non quiso ũu deles | que o anél lle durasse,
369:32e a sortella lle déron, | mais que os non mesturasse.
369:45O alcaide mui sannudo | disse que o non faría, | mais que lle déss' a sortella,
369:72mais pero vender-mio-ía | a quen mio mui ben comprasse.”
369:73Disse-ll' ela: “E son muitos?” | Respôs el: “Par Déus de céo, | non é mais dũu senlleiro,
369:78e disse-ll': “Ai, madre bõa, | mais val de cẽar daqueste | ca jazer assí gemendo.”
370:3Devemos-lle dar mais de cen mil loores,
371:28mais ũa mollér i éra | e chamou, segund' oí,
372:19E des oi mais non ajas | medo de mal aver,
372:20mais á mestér que cômias | e que queiras bever;
374:10mais gãar ren non podían | d' entrada nen de saída,
374:12Mais depois que entenderon | que esto per séus pecados
374:19A cousa que mais fremosa | e mais rica i fillassen.
376:10e ouvésse per mar fróta, | per que fosse mais temuda.
376:20Don Manüél, el Rei lógo | non quis mais fazer tardada,
376:21mais envïou-ll' a sortella, | en ouro engastõada,
376:24E o óme foi-se lógo; | mais non foi apercebudo
376:27Nemigalla non falava, | mais diss' en sa voontade:
376:41perdêssedes; mais tomade- | o lógo, ca ben vos digo
377:13mais o óme por mercee | lle pediü que lle désse
377:17mais o que tiínna os seelos | lla ouve mui mal parada (†)Click on the line number reference to view footnotes in context.
377:18ben préto de quinze días; | mais el Rei nono sabía.
377:19Mais depois que a verdade | deste feit' ouve sabuda,
377:23Mais aquele, por meaças | que el Rei ll' ameaçasse,
377:24sól fazer nono quería, | mais dizía que leixasse
377:30contra esto; mais aqueles | alongavan cada día.
377:31Mais aquel Pedro Lourenço | que a carta demandava
378:11Mais a nóssa avogada, | que ten ben nóssa razôn,
378:23Estes avían sa filla | que amavan mais c' a si,
378:30Mais un séu compadre lógo | se fez séu consellador
378:36mais pois lla ouv' outorgado, | Santa María guarir
379:17mais lennos de Catalães, | cossárïos chẽos d' artes, (†)Click on the line number reference to view footnotes in context.
379:25e quiséran-s' a sa térra | tornar-se; mais non podéron,
380:14mais guïar
380:18devemos mais d' al ren;
381:13que mais amar non podía | outra ren; e foi assí
381:21se non, léva-me con ele, | ca mais non viverei éu
382:10que de dar tẽudo ll' éra, | mais dizía-lle de non.
382:12mais al Rei non lle prazía, | ca lla ía demandar
382:17cousa que éu dada aja; | mais tal logar buscarei
382:27Mais al Rei muito pesava | e tiínna-o por mal,
382:32mais porque o non colleron, | acordou-s' e fez bon sen,
383:14do séu a quena guïasse | por poder ir mais segura.
383:24pelos logares mais santos | dessa térra u Messías
383:26foron en Acre tornadas, | mais non como quen atura
383:28mais aginna se colleron | ao pórto e rogaron
383:30d' entrar mui tóste na nave. | Mais foi tan grand' a presura
384:2mui mais lle praz quando lle loan | séu nome que d' outras loores.
384:9mais u quér que el achava | nome de Santa María
384:26de seer da Virgen santa | un dos séus mais loadores.
384:30un pouco, foron-se lógo. | Mais a Sennor das sennores
385:23Mais ante celorgïãos | mostrou com' éra maltreito,
385:24dizendo que o sãassen; | mais esto non foi en preito
385:29mais acomendou-se lógo | ao Pórt', e foi guarido
386:6daquelas que son mais grandes | no sennorío d' Espanna.
386:31Mais sábado aquel día | éra, e muitos cuidavan
386:43Mais aduzede-mio lógo; | ca éu ei grand' asperança
389:15De sa mollér el avía, | que mui mais ca si amava.
389:26mais dar-ll-ía dous capões | ou ben léu dous ansarinnos.
390:20A nós faz que o amemos mais d' al,
392:17Madre de Déus, do gran Pórto; | mais foi preso muit' aginna,
392:38ca d' oi mais ena mia vida | non é senôn amargura.”
398:18mais un deles ontr' os outros | vos será per min contado.
398:29mais depois a tercer día | viu o gãad' u estava
399:13mais tanto cobiiçava | a fazer loucura,
399:26será pera mi ta mórte.” | Mais a que abriga
399:29que non mates o menino, | mais a un moógo
399:33mais contra todas tas coitas | darei gran conórte;
400:13foi, ca mais non avía,
400:15mais o méu é mui mẽor don
401:90mas des oi mais me guarda, | e guardado serei.
401:99en ti quen soubér esto | e mais te servirá
402:4sõo, mais catad' a vóssa valor
402:8mais catad' o gran ben que en vós jaz;
402:12mais catad' o gran ben que vos Déus déu;
402:20mais catade como non sei u ir
403:55mais pois, se el me valla,
404:20Santa María amava mais d' al;
404:69nen que o démo mais negro ca pez
409:81seer; mais com' irmãos,
411:21mais non lles dava fillo, | por que coitad' andava
411:22muit' end' ele; mas ela | éra ên mais coitada,
411:33mais fillou séus gãados | e foi-s' aa montanna,
411:46será de todos bẽes | mais d' outra e preçada.”
411:64con estes méus gãados; | ca mais me val que viva
411:93farei vósso consello; | mais, por Déus, compannões,
414:29de si a ela, mais fillou faiçôn
415:14ante; mais pois vimos ben sa faiçôn.
417:18trões aquí, ben me póde | des oi mais en paz levar.
417:22te rógo que me non queiras | oi mais no mundo leixar.”
418:22foi britad' e mal apreso, | e ja mais non cobrará.
419:7Mais como passou ela | deste mundo contar
419:17são se non partisse; | mais a ela per ren
419:67Mais a óra da sésta, | direi-vo-lo que fez
419:80foron-s' aa cidade; | mais lógo San Miguél
419:104“Dized' u a metestes; | mais sei éu que nenllur
419:109que éu vi o séu córpo | mui mais branco ca lis
419:114non demos mais por ele, | ca sempr' este dultou.”
419:117viu morrer o séu Fillo; | mais pero, se non luz,
421:12mais dé-nos enteira
422:6E en aquel día, | quand' ele for mais irado,
422:37di-lle como vẽes | deles dos mais poderosos.
423:17por mais terrá u por nos remiír
423:21pero mais foi u chus negros ca pez
423:25pero mais foi u per elas a pran
423:34que mais fez por nós u per el subiu.
423:36fez de naturas muitas mais ca mil,
423:37muito foi; pero mais u eno vil
423:41muito foi; pero mais u pres paxôn
426:22mais que aqueles que albérgan roméus,
427:33saben mellor a toda ren que aquel que mais leeu.